Posto de trabalho

Posto de trabalho

Valter Vinagre, em “Posto de trabalho” apresenta trabalhos fotográficos num registo entre a realidade objectica e poética.

Valter_Vinagre_Barra_das_Almas_08

Barra das Almas

“Ao olhar para esta série de fotografias “Barra das Almas”, de Valter Vinagre, sabemos de instinto que, apesar da sua data recente, se referem a um tempo que não é o nosso. Um tempo pré-moderno, onde a máquina não determinava ainda a vida dos homens e as horas e os dias se sucediam pautados por calendários antiquíssimos. Não há homens e mulheres maduros nestas imagens, apenas um casal de idosos e uma criança, enfeitada de frutos como um jovem deus pagão, que reabre o ciclo da vida que adivinhamos fechar-se em breve.”

olha-valter-vinagre-1

OLHA

Como fotografar o silêncio? Como fotografar o invisível ou o velado? Desde que há fotografia – melhor seria dizer,desde que há imagem – que o problema se põe. Seja porque o que está em causa são conceitos e não realidades tangíveis, seja porque essas realidades se furtam absolutamente ao olhar da câmara. A violência doméstica, […]

Animais de Estimação de Valter Vinagre

Animais de Estimação

Há fotógrafos que teimam em trilhar os caminhos menos óbvios, mais espinhosos. Que gostam da provocação, da sugestão, da ironia e de alguma matreirice, sem que isso se pareça em nada com joguinhos florais ou ziguezagues barrocos – não é dar curva só para ver se a máquina aguenta, é dar a curva pelo prazer de derrapar, de andar no limite e de ver a poeira a levantar. Valter Vinagre é um destes fotógrafos.

humus_58

Húmus

Húmus, de Valter Vinagre (Avelãs de Caminho, 1954) é um olhar retrospectivo sobre o conjunto da sua obra que abarca o período compreendido entre 1988 e 2009. A viagem pelos seus diferentes livros e séries fotográficas contempla aproximadamente 70 obras, impressas em diferentes formatos. O fio condutor da mostra explora de forma fragmentada alguns dos […]

VV20_02bx

PARA

Portugal, 2003. “As fotografias de Valter Vinagre da série “PARA” não mostram gente, mas é decididamente de gente que falam. Fazem-no de um modo subterrâneo, como subterrâneo é o fenómeno inscrito em todas elas. Uma homenagem fúnebre a gente que desapareceu do mundo dos vivos numa fracção de segundos. Porque a estrada estava mal pavimentada, […]